Os projetos de investigação que os estudantes do Programa de Cultura e Comunicação desenvolvem no curso  devem incidir numa das seguintes linhas temáticas, ou numa articulação entre duas, de forma a assegurar um trabalho imersivo na investigação em desenvolvimento pelos docentes e investigadores.

Definição da linha:

Estudar a cidade como espaço de vivências socioculturais, onde se cruzam perspectivas étnica, de classe, de género, intergeracional, económica, política, artística, e o papel essencial da gestão das culturas, tanto no domínio das culturas do quotidiano, como dos novos espaços culturais e dos museus. A cidade e a(s) comunidade(s). A cidade como espaço de afirmação/manifestação política. O impacto das mobilidades nas representações e actividades citadinas. A análise da cidade confrontada com as consequências da globalização. Cidade e ecologia.
Explorar a Cultura Visual como área de investigação académica e problematizar os respectivos conceitos e teorias. Analisar as condições de produção e de visualização de diferentes representações visuais, nomeadamente em fotografia, televisão, cinema e vídeo, assim como em publicidade, moda, arte urbana, arquitectura, pintura, dança,
ópera, etc.  Capital intelectual e inovação. Criatividade local e global. Gestão cultural urbana e City marketing.

Studying the city as a site for socio-cultural experiences, where ethnic, class, gender, intergenerational, economic, political, artistic perspectives and the crucial role of cultural management intersect, both in the field of day to day cultures and in new cultural and museological sites. The city and the community (ies). The city as a site for
political assertion/demonstration. The impact of mobility on city representations and activities. An analysis of the city against the consequences of globalization. The city and ecology.
Exploring Visual Culture as a field of academic research and questioning the respective concepts and theories. Analysing conditions of the production and visualisation of different visual representations, namely in photography, television, cinema and video, and also in publicity, fashion, urban art, architecture, painting, dance, opera, etc.
Intellectual capital and innovation. Local and global creativity. Urban cultural management and City marketing.

Questões-Chave: Cidades e Cultura; Cultura Visual.

Docentes Associados:

Prof. Doutora Teresa Malafaia

Prof. Doutora Adelaide Meira Serras

Prof. Doutora Luísa Soares

 Definição da linha:

Em torno do postulado sociocognitivo de van Dijk (2008) de que “O discurso controla as mentes e as mentes controlam as diversas formas de acção em sociedade” desenvolvem-se ferramentas de análise semântica de diversos tipos de textos institucionais e jornalísticos, fundamentalmente em meio digital (Thurlow/Mroczek, 2011; Barton/Lee, 2013; Tagg 2015) ou de produtos artísticos de diversa índole, tendo como enfoque alavancas de construção e de manipulação discursivas de tipo metafórico e metonímico, quer na sua expressão monomodal (Lakoff/Johnson 1980, Goatly 2007, entre outros) quer na sua dimensão multimodal (Forceville 2009 e 2012).

Docentes Associados:

Prof. Doutora Clotilde Almeida

 Definição da linha:

De base discursiva e com uma forte incidência linguística de análise, a investigação desenvolvida nesta linha temática centra-se na descrição de traços configuradores da construção do conhecimento (conhecimento do senso comum, conhecimento tecnológico, conhecimento profissional, conhecimento disciplinar e científico, conhecimento artístico…) e das  práticas de literacia que potenciam a sua aquisição e desenvolvimento. Enquadram-se nesta caracterização aspetos relativos ao modo como se adquire conhecimento, se desenvolve potencial, se dominam contextos complexos e se participa ativamente em comunidades de práticas e na sociedade em geral, seja por vias tradicionais seja por vias de inovação e desenvolvimento tecnológico.     Os trabalhos de investigação a realizar desenvolvem-se em torno de análises discursivas que respondem a questões como: que práticas de literacia configuram uma dada comunidade de práticas? Como se legitima discursivamente o conhecimento nessa comunidade de práticas? O que constitui conhecimento nessa comunidade? Quais os mecanismos discursivos de exclusão de tal comunidade? Que aspetos discursivos constituem marcas identitárias dessa comunidade e que formas de comunicação e expressão nela são favorecidas? Por comunidade de práticas, no sentido de Lave & Wenger (1991) e Wenger (1998), entende-se o conjunto de pessoas que partilham uma determinada atividade ou profissão, ou ainda um interesse cultural e social comum, no exercício ou manifestação dos quais se situam como conhecedores, legitimando, com as suas práticas e a expressão da sua identidade, a exclusão dos não conhecedores.

Discourse centred and with a strong linguistic analytical emphasis, the type of research developed in this thematic line focuses on the description of the configurative traits that construe knowledge (common sense knowledge, technological knowledge, professional knowledge, disciplinary and scientific knowledge, artistic knowledge…) and of the practices of literacy that promote its acquisition and development. This characterization encompasses aspects of how knowledge is acquired, how potential is developed, how complex contexts are assessed and how people actively participate in communities of practice and in society in general, either by traditional means or by means of innovation and technological development.        The research work carried out revolves around analyses of discourses that answer questions such as: which practices of literacy shape a given community of practices? How is knowledge legitimized discursively in this community of practices? What constitutes knowledge in this community? What are the discursive mechanisms of exclusion in use in such a community? What discursive aspects are identity marks of this community and what forms of communication and expression are used? By community of practices, in the sense of Lave & Wenger (1991) and Wenger (1998), one means the set of people who share a certain activity or profession, or even a common cultural and social interest; in the exercise or manifestation of their practices the members of the community identify themselves as knowers, legitimizing, with their practices and the expression of their identity, the exclusion of the non-knowers.

Questões-Chave:  Discurso, literacia, identidade, conhecimento, comunidades de práticas, mecanismos de exclusão, mecanismos de legitimação.

Docentes Associados:

Prof. Doutor Carlos Gouveia

Definição da linha:

No Programa em Cultura e Comunicação, a linha de docência e investigação ‘Matrizes das Culturas Contemporâneas’ procura perspetivar em termos diacrónicos problemas particulares do mundo contemporâneo e responder aos modos como o passado contribuiu/contribui e foi/é usado em diferentes construções identitárias; procuramos também compreender de que modo determinadas concretizações ou criações culturais, quer coletivas quer individuais, se relacionam com ideias, pessoas, interpretações concretas e/ou parciais do passado.

Há pelo menos três problemas que nos interessam:

  • As Tradições Clássica e Medieval na formação do mundo contemporâneo: os mundos clássico e medieval (que dependeu também em larga medida deste) moldaram a cultura erudita mas também muito do quotidiano em todo o mundo, até à atualidade. Seja por imitação/emulação de conteúdos, seja como repositório de temas e de formas, seja também pela rejeição de modelos, o mundo contemporâneo forja-se ainda, em larga medida na relação com aqueles períodos. Neste contexto, procuramos alunos que queiram estudar o papel das Culturas Clássica e/ou Medieval como geradoras de conteúdos múltiplos, potenciadoras de modelos e de contra-modelos e dinamizadoras de criatividade não apenas na Europa e nos chamados países ocidentais, mas também em contextos coloniais e pós-coloniais, em áreas como a literatura, o teatro, o cinema, a performance ou as artes plásticas;
  • Passado e Identidades: género, etnia, religião, nacionalidade, família, profissão ou a pertença a determinadas organizações condicionam o modo como os indivíduos constroem as suas múltiplas identidades, a sua pertença e exclusão de determinados grupos, as suas opiniões e os seus modos de actuação em contextos particulares. Muitas destas identidades resultam de maneiras particulares (e não necessariamente válidas) de interpretar o passado.  Neste sentido, aceitamos alunos que procurem estudar as utilizações ideológicas/culturais do passado feitas por diferentes grupos no presente. Aceitamos projetos que procurem analisar o modo como o passado influencia ainda hoje a auto e hetero-definição de grupos ou os sentimentos de (não-)pertença a determinado grupo, bem como examinar as reações a estas definições. Queremos analisar de que modo os critérios de inclusão/exclusão de determinados grupos se constroem com base em interpretações específicas, válidas ou não, do passado.
  • Retórica e política: Os estudos de retórica constituem dos mais profícuos campos de investigação na actualidade. Procuramos estudantes que (i) se interessem pelos fundamentos gregos e romanos da retórica antiga e pela forma como muitos dos seus pressupostos teóricos foram, de forma consciente ou não, assimilados e retrabalhados até à actualidade, constituindo-se ainda hoje como instrumentos de análise e de codificação que permitem criar e compreender mensagens de múltiplas naturezas, desde o mundo político à publicidade, do grafito ao entretenimento, das práticas de enamoramento à parenética religiosa; (ii) pretendam compreender como é que, ao longo da história, e no mundo contemporâneo, os fenómenos de comunicação (verbal ou não verbal) têm sido analisados e condicionados pelas teorias retóricas e pelos seus condicionalismos epocais; (iii) pretendam estudar o discurso e as estratégias de comunicação política até à actualidade, de modo a compreender as dimensões sociais e culturais por trás da produção de mensagens políticas persuasivas.

Centros I&D envolvidos: Centro de Estudos Anglísticos, Centro de Estudos Clássicos, CLEPUL.

Prof. Doutor Rodrigo Furtado

Prof. Doutora Teresa Malafaia

Prof. Doutora Adelaide Meira Serras

Prof. Doutora Sofia Frade

Prof. Doutora Clotilde Almeida

Prof. Doutora Luísa Soares

A linha de investigação temática em Tendências e Gestão da Cultura trabalha os processos e as teorias por detrás das práticas de produção cultural e da gestão de projetos e de eventos nas artes e na cultura. A par da problemática das políticas e das indústrias da cultura, o doutorando pode também desenvolver investigação sobre os impactos da análise cultural em práticas de comunicação e de estratégia. Neste sentido, a linha de investigação temática aborda também a problemática dos Estudos de Tendências na óptica das dinâmicas humanas presentes nas tendências socioculturais, através do estudo dos comportamentos e das mentalidades associadas a determinadas práticas, representações e objetos. Desta forma, é possível determinar alterações na cultura de consumo e no gosto. A investigação fundamental e aplicada nesta linha permite obter dados importantes capazes de promover inovação ao nível da gestão e das políticas culturais, entre outras áreas.

Questões-chave: Gestão Cultural; Políticas Culturais; Gestão de Eventos Culturais; Cultura e Estratégia; Estudos de Tendências; Coolhunting e Inovação; Cultura de Consumo; Branding Cultural e Tribal.

Há pelo menos duas temáticas que nos interessam:

GESTÃO CULTURAL. As teorias e as práticas associadas à gestão de atividades e de instituições do sector cultural. Dos museus às galerias de arte, passando pelos eventos e outras manifestações emergentes, pretende-se desenvolver competência de problematização das práticas de produção, programação, comunicação e gestão neste sector. Em outro sentido, o estudo e a análise da cultura podem ser aplicados a práticas de estratégia, de marketing e de gestão ou de comunicação estratégica, pelo que interligam-se aqui questões como o branding cultural e tribal e as indústrias criativas.

ESTUDOS DE TENDÊNCIAS. O estudo de mentalidades que se traduzem em padrões de comportamento específicos associados a práticas de criatividade e de inovação e que permitem compreender mudanças no tecido sociocultural. Os Estudos de Tendências articulam-se com a análise e gestão da cultura; com a análise de dinâmicas urbanas e do seu ADN cultural e criativo; a gestão da inovação e o desenvolvimento estratégico; entre outras questões.

Docentes Associados:

Prof. Doutor Nelson Pinheiro Gomes

Prof. Doutora Teresa Malafaia

Definição da linha: Esta é uma linha de investigação fundamental sobre as principais teorias e práticas de análise da cultura, das suas dinâmicas e dos seus objetos e presentações. Pretende-se problematizar as várias correntes do Estudo da Cultura, considerando a escola de Birmingham, as Ciências da Cultura, e considerando a escola de Frankfurt, articulando perspetivas da Sociologia da Cultura e da Antropologia Cultural para melhor enquadrar e problematizar a epistemologia associada ao Estudo da Cultura

As questões ligadas à(s) modernidade(s) e aos seus impactos ao nível das identidades e das práticas significantes que regulam as relações entre grupos e indivíduos estão em especial destaque nesta linha. Aliás, promove-se aqui um amplo debate sobre a relação entre cultura e comunicação, entre a exibição e os sistemas signicos que produzem significados e que impactam os vários sectores da vida quotidiana. 
A problematização conceptual e metodológica no âmbito do Estudos da Cultura é o ponto de partida para um programa com claras linhas temáticas e de intervenção, orientando investigações aplicadas e de campo.
 
Questões-chave: Estudos Culturais e Ciências da CulturaTeoria Crítica; Poder e Cultura; Multiculturalismo; Géneros e Identidades; Cultura e Comunicação; Culturas Eruditas e Populares; Historiografia da Cultura.

Docentes Associados:

Prof. Doutora Teresa Malafaia

Prof. Doutora Adelaide Meira Serras

Prof. Doutor Nelson Pinheiro Gomes

Prof. Doutor Rodrigo Furtado

Não obstante as presentes linhas, a comissão científica do curso está aberta a receber e a apreciar propostas inovadoras sobre a abertura de novos campos disciplinares ou sobre a problematização de temáticas que se revistam de grande interesse científico e societal.